Skip to content

CRAZY AND MIXED UP

maio 29, 2013

Quase duas décadas já se passaram desde a morte da divina Sarah Vaughan, em 1990. Ao lado de Billie Holiday e Ella Fitzgerald, Sassy completava a trinca das grandes cantoras de jazz. Em tempos de Diana Krall e Jane Monheit, ouvir qualquer disco de Sarah é fundamental para entender de onde vem a inspiração para as novas cantoras e perceber que a nova geração ainda tem um longo caminho pela frente.

O início de carreira de Sarah Vaughan é muito parecido com a de Ella Fitzgerald. Em 1934, Ella venceu o concurso de amadores do Apollo Teatre, no Harlem (EUA), e foi contratada pela orquestra de Chick Webb. Oito anos mais tarde, foi a vez de Sarah vencer o mesmo concurso e ser convidada para tocar com Earl Hines. Outros marcos em sua carreira são os trabalhos ao lado de Dizzy Gillespie e Charlie Parker e sua parceria com o trompetista Clifford Brown.

Escolher um único álbum dentro de uma obra tão extensa e rica como a de Sarah Vaughan é uma tarefa difícil, mas como acontece na discografia de todos os jazzistas, sem há dois ou três títulos fundamentais. No início dos anos 80, após anos gravando com orquestras, Sassy lançou o disco Crazy and Mixed Up, pela gravadora Pablo. Neste trabalho, acompanhada por um quarteto, a cantora foi responsável pela produção e teve total liberdade para escalar os músicos e escolher o repertório. O resultado foi um dos discos mais vibrantes e inspirados de toda sua carreira.

Sassy convidou nada menos que o guitarrista Joe Pass, que nos anos 70 fez discos antológicos com Fitzgerald, o veterano pianista Roland Hanna, o baixista Andy Simpkins e o baterista Harold Jones. O CD abre com o clássico “I Didn’t Know What Time It Was”, de Rodgers & Hart. Em seguida vem “That’s All”, com destaque para o solo de Hanna, que também comanda a singela “Seasons”. Em “In Love In Vain”, o trio formado por piano, baixo e bateria promove o clima ideal para Sassy mostrar sua técnica vocal única. O show continua com o casamento perfeito entre a guitarra de Pass e o scatt de Sassy em “Autumm Leaves”. O disco termina com outra composição inesquecível de Rodgers & Hart, “You Are Too Beautiful”, apenas com a cantora acompanhada pelo piano.

Esta dica é publicada dias depois da morte da cantora Anita O’ Day, no fim de 2006. A perda de Anita cria um vazio igual ao deixado por cantoras como Sarah, Ella, Billie, Anita, Carmem McRae e Betty Carter no passado. É claro que ninguém é imortal e muito menos insubstituível, mas não podemos deixar de lembrar que estas cantoras foram a personificação da palavra diva.

http://www.sobresites.com/jazz/dicascd/vaughan.htm

Anúncios

From → Uncategorized

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: