Skip to content

“ASSÉDIO NA SUEBRA”

maio 22, 2013

Essa aconteceu no longínquo ano de 1955, exatamente no dia 22 de Janeiro. Guardo a data porque o fato ocorreu sete dias antes de meu casamento. Estávamos na época dos LPs, ainda no formato de dez polegadas. Alguns sebos começaram a mostrar alguma coisa mas o grosso do estoque estava mesmo nas lojas tradicionais como a famosa “Palermo & Irmão e Cia”. Certa ocasião, passando pela Rua São José, olhei para a vitrine da “Discolandia” e não resisti. Invadi a vitrine e peguei três álbuns que me chamaram a atenção. O quinteto de Jimmy Raney, com Stan Getz tocando sob o pseudônimo de Sven Coolson e a rítmica integrada por Hal Overton, pianista que tinha uma coluna sobre musica clássica na Down Beat, Red Mitchell e Frank Isola; o concerto de Oscar Peterson no Carnegie Hall com acompanhamento de Ray Brown, que tinha como destaque absoluto a faixa “Carnegie Blues” que ocupava todo um lado do disco e um trio de Art Tatum do selo Decca, com a presença de Slam Stewart e Everet Barksdale. Não precisa dizer do cartão amarelo que tomei do empregado da loja por ter entrado na vitrine. Depois fui saber que o piso era de madeira muito fina e poderia ter quebrado. Mas, depois da clássica discussão sobre os preços e o pedido de desconto como freguês assíduo da loja, tudo terminou em paz.
Contei esse caso para mostrar como a coisa funcionava naquele tempo. Dia 22 de janeiro de 1955 ia eu pela rua Senador Dantas quando me deparei com uma loja que ainda não conhecia. Era a Suebra.
Como a outra, sua vitrine estava recheada de elepês de Jazz e eu não tive alternativa senão entrar e escolher dois que me chamaram a atenção. O primeiro era o volume dois do famoso Concerto do Town Hall, promovido pelo Barão Timme Rosenkrantz com os All-Stars de Red Norvo, Flip Phillips, Teddy Wilson etc., e o do quarteto do trumpetista Bill Coleman. O segundo era o volume nove da serie “Jazz at the Philarmonic” com a troupe de Norman Granz, que trazia na faixa “Perdido”o famoso duelo entre Flip Phillips e Illinois Jacquet.
Fui atendido por um rapaz forte, de grosso bigode e com voz de tenor. Me encaminhou à cabine,
ligou a “vitrola” para que eu ouvisse os discos e saiu. Ouvi o lado A do Town Hall e em seguida o Jazz at the Philarmonic. Foi quando o rapaz voltou e perguntou se eu estava gostando das gravações. Respondi afirmativamente enquanto soavam no aparelho os tenores de Flilp Phillips e Illinois Jacquet. Terminada a música, coloquei o disco na capa enquanto ele novamente indagou se eu gostara dos discos. Respondi que sim mas que, infelizmente, o dinheiro só dava para comprar um. Foi como o moço tivesse sido tocado por uma varinha de condão. Colocou um pé na frente do outro revirou os olhos, balançou o corpo e “enchendo a mão” perguntou com voz fina: “Quer levar os dois ?” O susto que levei ultrapassou qualquer expectativa e me desvencilhando rapidamente do “predador”, fui direto ao balcão, estendendo o Town Hall Concert para que fosse embrulhado, enquanto corria para a caixa para efetuar o pagamento.

E nunca mais voltei à Suebra.

http://cjub.com.br/historiasdojazz.html

Anúncios

From → Uncategorized

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: