Skip to content

ELEANORA FAGAN (1915-1959): TO BILLIE WITH LOVE FROM DEE DEE

maio 13, 2013

Faz muito tempo que acompanho a veterana cantora Dee Dee Bridgewater, mas nunca “consegui” escrever algo sobre ela. Não há um motivo claro para que isso tenha ocorrido. Simplesmente não aconteceu. Mas essa situação sempre me incomodou, já que estamos falando de uma intérprete com quase 40 anos de carreira e uma discografia com grandes álbuns, entre eles tributos à Ella Fitzgerald, Horace Silver e a Duke Ellington.

Dee Dee não é apenas mais uma cantora de jazz. Basta ouvir os discos Just Family (78) e Bad for Me (79). Nesta época, ela flertava com a soul music. No início dos anos 70, cantou em musicais da Broadway e chegou a ganhar o Oscar dos musicais. Mas sua carreira jazzística começou a decolar nos anos 90, quando foi contratada pela gravadora Verve e comparada a Ella Fitzgerald. São desta época os discos Dear Ella, tributo à Ella que ficou com o Grammy de melhor disco vocal em 1997, e Love & Peace (95), com composições do pianista Horace Silver.

Apesar de todo esse currículo, só tomei coragem de indicar um disco da cantora após vê-la ao vivo. Que experiência arrebatadora. Em 2011, Dee Dee esteve no Brasil com a turnê do disco Eleanora Fagan (1915-1959): To Billie With Love From Dee Dee, no qual interpreta canções da carreira de Billie Holiday, acompanhada de um quarteto.

Após duas horas de show, a única coisa que eu queria fazer, além de continuar escutando Dee Dee, era escrever algo sobre aquela cantora que tinha acabado de me deixar sem palavra, uma ironia para um jornalista.

A homenagem à Billie não poderia ter sido mais feliz. O repertório, os arranjos, os músicos e, é claro, a maturidade de uma cantora com 60 anos de idade e quatro décadas de estrada fizeram deste disco um título obrigatório.

O CD abre com a clássica “Lady Sings the Blues”. Na sequência, você encontra “All of Me”, com direito a marca registrada de Dee Dee, o scat, e a introspectiva “Good Morning Heartache”. Em “Lover Man”, a cantora abre espaço para o solo do pianista porto-riquenho Edsel Gomez.

Na deliciosa “Fine and Mellow”, Dee Dee e o saxofonista James Carter, presente em quase todas as faixas do disco, dão um banho de sensualidade e conquistam o ouvinte de vez. Como brinde, você ainda leva “God Bless the Child”, “Foggy Day” e a melancólica “Don’t Explain”, na qual Billie conta a história de uma mulher traída e resignada.

http://www.sobresites.com/jazz/dicascd/dee.html

Anúncios

From → Uncategorized

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: