Skip to content

Bill Evans – Sunday At The Village Vanguard

maio 13, 2013

O que falar de um músico que participou do mais importante disco da história do jazz – Kind Of Blue, de Miles Davis -, que teve um dos mais influentes trios de todos os tempos – com Paul Motion (bateria) e Scott LaFaro (baixo) – e gravou discos definitivos como Portrait In Jazz, The Paris Concert, Waltz for Debby e Sunday at the Village Vanguard?

Diante desses fatos, não há muito mais o que falar a não ser reverenciar e, principalmente, escutar todo o talento do pianista norte-americano Bill Evans. Nascido em 16 de agosto de 1929, Evans foi o único músico branco nas gravações do mitológico Kind Of Blue e um dos jazzistas brancos mais influentes de toda a história.

Assim como acontece com outros músicos de jazz, indicar um único disco de Bill Evans é quase uma heresia, mas no caso do pianista a escolha não poderia ser mais óbvia, Sunday At The Village Vanguard, lançado em 1961. O disco, gravado ao vivo na casa de jazz nova-iorquina, traz Evans acompanhado de seu mais importante trio, composto por Paul Motian e Scott LaFaro. Outro fato “interessante” sobre este disco foi a despedida de LaFaro, que morreu 10 dias após a gravação deste concerto, em um acidente de carro, aos 25 anos de idade.

O disco abre com a clássica “Gloria’s Step”, com LaFaro solando como poucos e Motian atacando no estilo “vassourinha”. Toda a delicadeza de Evans está exposta em “My Man’s Gone Now”, composta pelos irmãos Gershwin, e “Jade Visions”. Outro clássico presente aqui é “All Of You”, de Cole Porter, com solos de LaFaro e Motian. Para terminar, Evans recria “Alice in Wonderland” e faz uma versão de quase 9 minutos da composição de Miles Davis, “Solar”, faixa que traz solos “completos” dos três músicos.

Outra dica importante é procurar o disco Waltz for Debby, uma espécie de volume 1 deste disco. Para alguns críticos, Waltz é a personificação do clássico trio de jazz. Diferentemente do que acontece em Sunday, no qual LaFaro está em destaque, Waltz traz o trio mais conciso e interagindo mais entre si.

Apesar da morte prematura, Evans morreu aos 51 anos, em 1980, o pianista continua uma referência para os novos músicos. Nomes como Brad Mehldau, Benny Green, Mulgrew Miller, Bill Charlap, Stephen Scott e Fred Hersch são exemplos vivos do legado deixado pelo maior pianista branco que o jazz já produziu.

http://www.sobresites.com/jazz/dicascd/evans.html

Anúncios

From → Uncategorized

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: